Curso “mão na massa” X Curso teórico: qual a melhor escolha?

Uma dúvida comum do profissional de TI que deseja se qualificar para o mercado de trabalho, seja para subir de cargo, seja para conseguir um emprego, é sobre que tipo de curso optar: algo mais puxado para teoria ou um curso mão na massa.

O primeiro deles visa utilizar conceitos teóricos para aprofundar o conhecimento do estudante. Por sua vez, o curso prático é aquele em que todos os fundamentos ensinados nas aulas são aplicados via aulas laboratoriais, de modo que o aluno aprenda fazendo.

No caso dos cursos de tecnologia, esse ponto faz a diferença, visto que tanto um curso mão na massa quanto o teórico são indicados — de acordo com os objetivos e ambições do aluno, evidentemente —, pois entende-se que cada tipo pode contribuir para diferentes requisitos.

Para explorar o assunto mais detidamente e, com isso, ajudá-lo a escolher a melhor alternativa de estudo para a carreira, esclareceremos os pontos relevantes de cada curso. Vamos começar?

Curso mão na massa

O curso mão na massa é, geralmente, ministrado nos ensinos técnico e profissionalizante, presenciais e semipresenciais, bem como em cursos a distância compostos por aulas práticas em laboratórios on-demand (sob demanda).  

O conceito é bastante simples: praticar os ensinamentos com uso de ferramentas específicas — similares às utilizadas em ambientes corporativos —, de modo que o aluno se forma preparado para os aplicar profissionalmente.

Um exemplo básico é o curso de hardware, em que a maior parte do conteúdo consiste em exercícios práticos, como a montagem e desmontagem de computadores, substituição de componentes, instalação de software e sistemas operacionais, formatação, entre outros, imprescindíveis para a qualificação.

Outro exemplo interessante é de curso de hardware é o famoso O&M, que é um curso de operação e manutenção muito requisitado na área de infraestrutura de TI, já que ele fornece um aprendizado específico de alguma plataforma de hardware de infraestrutura, tal como um switch ou roteador, e neste caso, gasta-se mais de 80% do tempo do curso em práticas de laboratório para entender o funcionamento deste hardware até ter um domínio total do mesmo e suas funcionalidades.

Entendeu o propósito? Então vejamos, a seguir, as principais vantagens e desvantagens desse modelo.

Vantagens de cursos mão na massa

Experiência

Evidentemente, quem faz um curso mão na massa sai na frente quanto à aplicação prática, o que permite a aquisição de experiência antes mesmo de ingressar no mercado de trabalho — detalhe muito valorizado pelas empresas.

Foco no mercado de trabalho

A matriz curricular costuma ser constituída de disciplinas exigidas pelo mercado, focando em ocupações emergentes, visando auxiliar no atendimento às demandas das empresas locais. Por exemplo, surgindo grande demanda por programadores em linguagens Web na sua região, provavelmente as instituições ofertarão cursos desse tipo.

Curta duração

Considerando o tanto que se aprende em um curso técnico ou complementar, por exemplo, há uma ótima vantagem acerca da duração do curso.

Preparo para qualificações futuras

Um curso mão na massa pode ser a base para a sua formação futura, sendo fundamental para decidir se deseja mergulhar a fundo em determinada área.

Desvantagens

Listamos as principais desvantagens de um curso desse tipo a seguir.

Necessidade de prática frequente

Para não esquecer o que acabou de praticar, é necessário que o aluno reforce as práticas individualmente. Do contrário, o curso pode não ser tão bem aproveitado como deveria — por exemplo, o aluno pode se formar sem dominar alguns fundamentos.

Baixa abrangência dos conteúdos

Conforme aprendemos até aqui, o foco de um curso mão na massa é colocar, no mercado, profissionais capacitados para atender aos requisitos das empresas. Em contrapartida, isso torna o aprendizado mais “resumido”, limitado aos  fundamentos que o profissional deve ter.

Falta de flexibilidade

Como os cursos práticos costumam exigir a presença em sala de aula e, por conta da cultura do ensino no Brasil, faltas incorrem reprovações. Esse tipo de cobrança coloca o aluno numa rotina muitas vezes exaustiva, a qual demanda conciliação entre curso e trabalho.

Cursos teóricos

Ao contrário dos cursos práticos, os teóricos são compostos de conteúdos distribuídos em materiais (apostilas, livros etc.) que, embora não levem o aluno a treinar com as ferramentas, são essenciais para sua formação, no sentido de especialização na determinada disciplina.

Na Tecnologia da Informação, a parte teórica é muito explorada em cursos de graduação, como Ciência da Computação, sobretudo nas disciplinas ligadas a noções de Redes e Engenharia de Software. Muitos dos cursos online também são sustentados pela teoria, cabendo ao estudante aplicar os conhecimentos por conta própria.

Vantagens dos cursos teóricos

Conheça três das principais vantagens de cursos teóricos! 

Aprofundamento de conteúdo

Cursos que focam na teoria exploram os conceitos mais detalhadamente, fazendo com que o aluno passe por etapas que garantem a compreensão de cada fundamento.

Gerenciamento de tempo

Levando em conta o fato de que cursos teóricos são, em sua maioria, online, isso significa que os horários dedicados aos estudos são controlados, ou seja, a flexibilidade é consideravelmente grande.

Acesso a materiais ricos

Naturalmente, o aluno tem acesso a materiais didáticos selecionados ou elaborados por professores gabaritados — quando o curso é de qualidade, evidentemente.

Desvantagens

Em compensação, existem desvantagens de cursos teóricos.

Pouca experiência prática

Por mais que o curso teórico ofereça vantagens interessantes, é inegável que a carência de treinamentos práticos afeta o aprendizado, visto que o estudante não é assessorado na hora de aplicar seus conhecimentos.

Necessidade de autodidatismo

Encarar cursos teóricos é um desafio maior àqueles que muito dependem do auxílio de um professor, ou seja, que não estão habituados a estudar por conta própria. Sem isso, é difícil extrair o máximo dos conteúdos.

Metodologias de cursos práticos e teóricos

Hoje em dia, existem muitas metodologias, muitas vezes, inclusive, misturando prática à teoria.

Bootcamps

Os métodos bootcamps são comumente comparados aos períodos em que um soldado passa por experiências de sobrevivência e treinamentos de campo, vivenciando somente aquela dura e cruel realidade até que amadureça e cumpra com os requisitos de um soldado formado.

Como estamos falando de cursos para qualificação acadêmica e profissional, mais precisamente de TI, o conceito de bootcamp é aplicado a várias tecnologias, como linguagens de programação e cloud computing, de modo que o estudante cumpra um determinado período inteiramente focado nas disciplinas.

Workshops

Os workshops são eventos específicos que colocam o estudante diante de exposições, palestras e interações junto a grandes mentes do mercado, ou seja, oferecem excelentes oportunidades tanto em termos curriculares quanto acadêmicos. Eventos do tipo são tradicionais nos Estados Unidos, porém, no Brasil, eles já acontecem frequentemente.

Ensino a distância (EAD)

Os cursos a distância ganham cada vez mais espaço na educação, permitindo que pessoas de todas as regiões — desde que conectadas à web — façam cursos de qualidade reconhecidos pelas entidades relevantes no mercado, inclusive cursos universitários.

Embora tais cursos normalmente sejam teóricos, é interessante destacar a existência de cursos semipresenciais, em que boa parte do conteúdo é transmitida virtualmente, em tempo real ou gravado, acrescido de treinamentos práticos para reforçar o aprendizado. 

Cursos convencionais de infraestrutura de rede

Os cursos mais tradicionais de infraestrutura de rede são um típico exemplo de como a mescla entre teoria e prática se concretiza, pois eles são compostos por cerca de 50% de aulas práticas e a outra metade, teóricas. Neles, o aluno é aprende conceitos e fundamentos de rede, intercalados com práticas de laboratório, e desta forma, consegue-se fixar melhor o conteúdo aprendido na teoria.

Esperamos que, com os exemplos aqui mencionados, você tenha compreendido as diferentes metodologias de ensino, e como consequência sinta-se mais seguro para fazer a melhor escolha.

Gostou do conteúdo? Receba em primeira mão as próximas publicações: acompanhe nossas redes. Estamos no Facebook, Twitter, LinkedIn ou no Youtube!

Posts relacionados

Um comentário para “Curso “mão na massa” X Curso teórico: qual a melhor escolha?”

Deixe um Comentário